15.9.14

A little more personal

Obrigada pela blusa naquela manhã.

Na verdade, obrigada por todas as manhãs também. Você sabe que eu não gosto de conversar quando acordo, mas meu mau humor diminuía com você. Se ainda era muito, desculpe. Eu só acho que a claridade não tem o mesmo senso de intimismo que um fim de noite. Era no fim da noite que você deitava no meu colo e pegava no sono e me deixava assistindo algum talk show que não consigo mais assistir porque me lembra você. Era no fim da noite que você me dava alguma camiseta sua antes de irmos deitar e me abraçava. Esses dias me peguei pensando que o lado esquerdo da cama sempre foi meu, desde a primeira noite aí, e talvez seja só um fato engraçado, mas eu gostava de como eu nunca precisava planejar nada ou pensar demais - com você as coisas só aconteciam e eu sempre achei que era assim que devia ser.

Não pensar demais vai na direção totalmente oposta do que eu sempre fiz. Eu sou detalhista, eu analiso demais, eu chego a conclusões de situações que nem mesmo aconteceram. Eu fiz muito disso com você e agora até me arrependo. Pensei muito no futuro e acho que te sufoquei. Mas, olha só, já estou pensando demais de novo. Eu, na verdade, não sei o que aconteceu. Num dia estávamos bem, no outro eu já estava sofrendo as consequências da bagunça que sua vida se tornou. Eu não te culpo, eu até entendo. Eu queria mesmo era ter salvo você de tudo isso. Poderíamos ter sofrido juntos, ou algo do tipo. Eu também tenho minhas dores e é uma pena que a forma como tudo acabou seja mais uma agora.

Tenho tido dificuldade de desapegar do que passamos. Ando frequentando muitos lugares onde fomos juntos e dói lembrar de como fui feliz. Que coisa esquisita a vida, ne? Até a felicidade dói. Eu me lembro do dia que você disse que não parava de pensar em mim e eu fiquei na dúvida se aquilo era uma coisa boa. Você disse que sim e eu aproveitei pra admitir que achava muito estranho como tudo aconteceu - como nos conhecemos e como nos demos bem. Eu sempre tive dificuldade pra me expressar e ficava esperando que você soubesse o quanto me fazia bem. Hoje não acho que faça ideia.

É por isso que escrevi, inclusive. Pra contar que me fez muito bem por um bom tempo e que agora estou tentando tirar uma lição disso tudo. Sei que tem e, por favor, pense também. Não agora, sua vida ainda deve estar complicada, mas pense quando der. Em mim, no que fomos, em como é melhor você esperar um pouco mais antes de dizer coisas doces à próxima pessoa que aparecer, porque, querido, por mais que soframos na vida, ainda vamos acreditar em palavras doces. Isso é um perigo.

Sei que não é adeus, eu só precisava desabafar. Qualquer hora volto pra buscar o que ficou por aí. Isso inclui minhas coisas e o pouquinho de mim que deixei com você. Prefiro pegar de volta antes que você jogue fora como se não valesse nada. Tanto um quanto o outro.

E preferi devolver a blusa como desculpa pra pedir notícias.

E que se cuide, já que não posso cuidar.

0 comentários: