5.1.14

Sinto saudade

Tem época que eu fico assim mesmo. Meio nada. Uma vez eu te mandei uma mensagem falando que talvez você me entendesse, mas hoje não acho que entenda. Teria voltado pra me buscar quando te liguei chorando ou ao menos ficado comigo no telefone até as lágrimas acabassem se achasse que meu humor instável era algo além de frescura. Você foi pra casa e só me ligou depois de três dias. Tudo bem. Mesmo. Descobri dia desses que preciso me acostumar com a ideia de que poucas pessoas estão preparadas pra lidar com, bem... pessoas como eu.

Ah, olha só, eu me fazendo de vítima de novo. É um ciclo vicioso. Me sinto triste, me faço de vítima, me sinto culpada por parecer sempre frágil e fico triste por não conseguir ser diferente. O engraçado é que isso aconteceu de um dia para o outro. Eu juro que até meus 15 anos eu era a pessoa mais feliz que você poderia conhecer. Todos meus professores ficavam impressionados com meu otimismo. Li Pollyanna porque uma professora de matemática disse que eu era exatamente como ela. Me encantei pelo livro e alguns meses depois eu já era o oposto da personagem.

Fiquei um tempo sem escrever. Eu estava feliz. Nunca consigo escrever quando estou de bem com a vida. Quero vivê-la ao máximo. Fico agitada demais se encaro uma página em branco na obrigação de escrever sobre sentimentos bons. Raramente você vai me ver falando sobre eles. Eu não sinto que preciso explorar a felicidade, ela é muito simples. Mas há algo sobre a tristeza. Ela não é só tristeza, sabe? É como se dentro dela existissem mil e um sentimentos a serem explorados. Sinto necessidade de expor o que sinto pra tentar me entender.

Voltei a escrever na noite passada. Quando virei nada de novo. Vou escrevendo e conforme começo a compreender o que estou passando, me sinto inteira. E fico feliz. Saio por aí e vivo como se amanhã fosse meu último dia, até esgotar o estoque do que quer que seja que me preencha. E fico triste. Eu sou sempre assim, a vida é sempre isso. Quando é linda, é realmente linda, mas quando não... Bem, não te culpo por não ter voltado pra me buscar. Às vezes, acho que nem eu mesma estou preparada pra lidar com pessoas como eu.

0 comentários: