23.6.13

The love we had

Parece que eu tenho escrito muitas cartas ultimamente. Eu e minha mania de dramatizar qualquer situação. Eu pressinto quando certas coisas estão chegando ao fim e sinto que nós não temos volta, mas eu não queria ser a pessoa que colocaria o ponto final num texto tão longo e bonito. Deixei que o tempo fosse obrigado a fazê-lo para que então eu lhe escrevesse esta carta. Que eu não vou entregar. Que vai ser só um rascunho no fundo da gaveta, que provavelmente vão perder quando fizerem minha mudança para o litoral.
Eu quero dizer que te odeio. Meus problemas pareciam pequenos, ou talvez eu parecia exagerada, mas eram meus problemas e você não precisava ser rude. Eu me contentaria com um "Deus sabe o que faz" ou "vai dar tudo certo, mesmo que não hoje". Pode mentir! Seriam mentiras saudáveis, eu precisava delas! Também quero dizer que te amo. Por ter aberto os meus olhos, porque eu já fui mais infantil (acredite, mais que hoje), porque você aguentou bastante também. Eu não sei se te culpo ou peço desculpas, meu orgulho é muito grande para que eu vá até você e o seu parece te parar no meio do caminho toda vez que você tenta. Eu acho que somos iguais demais para andarmos lado a lado. Opostos se atraem porque se completam e você tem pouquíssimas coisas opostas a mim. Nem sei porque nos espantamos quando entramos em conflito da primeira vez. Estava a caminho.
Quero dizer também que eu te quero bem. Você nunca foi de depender de ninguém. O amor muda a gente, mas quando é real só nos muda para melhor. Não sei se foi o que aconteceu com você. Tenho certeza que não foi o que aconteceu comigo. O nosso ainda está por vir, eu creio, então, quando algo te incomodar, pare e pense: em dez anos, que diferença isso fará na minha vida? Porque a resposta provavelmente será "nenhuma". Você tem mais estrutura que eu pra encarar problemas e superar as fases ruins, e se eu ainda aguento um ou outro tombo, você nem deve vê-los passar. É mais forte do que pensa e conseguiria ser mais feliz do que já é.
Eu tenho mais coisas para dizer, eu sempre digito mensagens curtas no celular, relembrando pequenos momentos nossos e sentindo falta de algo em particular. Não estou lembrando agora, mas se quiser listar tudo de bom que passamos, me ligue a qualquer hora. Talvez distância nos faça bem, quem sou eu pra dizer que o tempo já colocou um ponto final na nossa história?
Se cuide, se ame, pense no que foi bom. Não pense no ruim, tem coisa que é ruim e acabou, não tem lição nenhuma nas entrelinhas. Eu sinto sua falta vez ou outra, mas tirei um tempo pra aprender a gostar de estar só comigo também. Dizem que é se amando que a gente ama outra pessoa, então talvez logo eu não carregue mais tanto peso dentro de mim e você possa despejar mais do seu aqui. Eu não sei. Eu realmente não sei o que vai acontecer. E eu só escrevi tudo isso porque esses dias me perguntei se o que houve entre nós ainda vai me incomodar em dez anos, e minha resposta foi "sim".

0 comentários: