18.7.12

"This emptiness in the bottom drawer..."

Em dias assim, eu tenho vontade de lhe escrever uma carta longa, confusa e dolorosa. Daquelas que você não teria como responder, daquelas que você guardaria no meio de um livro empoeirado e voltaria a ler dentro de alguns anos só para ver se algo mudou desde então. Não muda, para nós, há muitos anos. Não mudará mais. Sou lembrança na sua vida e você é inspiração para minhas músicas. Aquelas que você gostava tanto de ouvir, aquelas que você dizia que eu gravaria um dia, porque era o meu sonho. Perdi muito de mim quando você se foi e a vontade de realizar meus sonhos também deixou de existir. Agora eu passo em frente a sua casa e penso se pelo menos um deles não ficou aí, preso no seu quarto, na sua sala de estar... Tenho vontade de tocar sua campainha, mas não sei o que diria para quem quer que abrisse a porta. Poderia dizer que esqueci algumas coisas há um tempo e gostaria de recuperá-las. Mas então meus olhos começariam a arder e eu tentaria poetizar a cena dizendo que gostaria de recuperar a amizade perdida também. E talvez aquela pessoa nem entendesse o que eu estava querendo dizer, talvez fechasse a porta em minha cara. Se me conhecesse, diria que você não está e eu iria embora. Nós sempre dissemos que seria para sempre, mas o que duas crianças sabem sobre isso?! Para sempre é muito tempo e nós não tínhamos noção naquela época. Não sabíamos que cometeríamos erros que não conseguiriamos perdoar tão facilmente. Não prevíamos futuro, mesmo achando que ele seria como nós planejávamos. Tenho alguns bons anos a mais hoje e posso te garantir que nada do que eu disse que faria antes de minha maioridade se cumpriu. Rezo para que você esteja no caminho certo, construindo sua vida como sempre quis. Você nunca quis muito, só o suficiente. Eu sempre fui além e hoje não tenho nada. E como voltar a te abraçar provavelmente não será mais possível, continuo querendo muito e não tendo nada.

1 comentários:

Anônimo disse...

Que bom que você resolveu variar na inspiração! Você fala das experiências da adolescência como se já não fosse há muito tempo. Lembre-se, você é jovem e ainda não cometeu todos os erros e abertos da sua vida. Quanto aos seus sonhos, tenha novos todos os dias e, quando menos perceber, estará realizando os antigos. Amores vêm e vão, mas você continua a ser você, um pouco mudada, mas sempre você.
Você sabe quem sou eu.